"Tu vais vencer, Podes crer, Porque a nossa força é brutal. Mais de um século de histórias para contar. Sporting, tu nunca vais acabar" - osangueleonino.blogspot.com -

Sangue LEONINO

segunda-feira, fevereiro 28, 2011

"Acusações" de Bruno de Carvalho a Godinho Lopes, têm nexo?

Godinho Lopes formalizou a sua candidatura à presidência do Sporting. Bruno Carvalho já deu a sua opinião sobre mais um candidato que se junta à "corrida" pela presidência.

Em declarações exclusivas ao SAPO Desporto, Bruno de Carvalho, apelida a candidatura de Godinho Lopes de «junta de salvação nacional» e acusou-a de negociar a sua lista «através da comunicação social».

«É a junta de salvação nacional. Esta lista em nada está preocupada com o Sporting. Não foi feita com base num projecto, não foi feita com base num ideal para o Sporting, não foi feita com base nas pessoas que melhor poderiam servir o Sporting», afirmou Bruno de Carvalho.

As críticas foram ainda mais longe: «Foi feito um trabalho fortíssimo de arranjos de lugares e de poderes. Só não viu quem não quis. Isto tudo foi uma negociação tremenda de quem domina o quê, quem e quando. Mas não há nenhum programa. Não sabem o que querem para o Sporting».

Estas declarações foram feitas ao SAPO Desporto no âmbito de uma entrevista sobre a sua candidatura à presidência do Sporting.


- Acho que Bruno de Carvalho acertou em cheio, no que é, e/ou poderá ser a Presidência com Godinho e seus "comparsas".

Sinceramente temos que pensar/questionarmos-nos em inúmeras coisas, tais como:

. Que projecto de ruptura com o passado recente (se chamam 15 anos de recente) terá esta Lista?

. Que credibilidade poderão ter as pessoas que a constituem?

. A que perguntas poderão eles responder com clareza, sendo que eles se auto-intitulam como Lista do "Consenso"?


- As restantes perguntas que gostariam de ver respondidas por estes "Srs." ficará ao critério de cada um, não será este um bom exercício a fazer sobre esta Lista de Godinho, sabendo de antemão que vêm "todos" lá de "dentro"?!


SPORTING SOMOS NÓS

ZenMan - Vítor Araújo

domingo, fevereiro 27, 2011

O estranho hábito de... perder



Nacional, 1 – Sporting, 0

Estádio da Choupana

Árbitro: Carlo Xistra

NACIONAL: Bracalli; Patacas, Felipe Lopes, Danielson e João Aurélio; Luis Alberto, Bruno Amaro e Skolnik; Edgar Costa, Mateus e Diego Barcelos.

Suplentes: Elisson, Todorovic, Thiago Gentil, Márcio Madeira, Bodul, Anselmo e Tomasevic.

SPORTING: Rui Patricio; João Pereira, Torsiglieri, Carriço e Evaldo (Maniche); Zapater (Saleiro) e André Santos; Yannick, Matías e Vukcevic; Hélder Postiga.

Suplentes não utilizados: Tiago, Polga, Abel, Salomão e Cristiano.

Golo: 1-0 Mateus

Nuno M Almeida

sábado, fevereiro 26, 2011

A marca de Bettencourt: um desastre!

No dia em que se anuncia a saída de Paulo Sérgio, seguindo-se assim a José Eduardo Bettencourt e a Costinha, sendo o treinador o último sobrevivente de um triunvirato que se propunha liderar o clube e o futebol do nosso Sporting, é óbvio que um certo ciclo falhou redondamente.

E ao contrário de alguns - que entraram em fase de negação - mantenho e assumo que apoiei Bettencourt, passando-lhe um óbvio cheque em branco porque acreditava que ele teria condições para executar um bom mandato. Apoiei-o e apenas não votei nele porque no dia das eleições não me encontrava em Lisboa. Enganei-me profundamente!

Embora fazendo agora o meu mea culpa por ter decidido dar esse apoio - eu que nunca fui roquettista ou franquista - não posso admitir que me apontem o dedo como sendo co-responsável pelo desastre a que se assistiu. E não o admito porque enquanto sportinguista nunca apoiaria de forma masoquista alguém, pensando que esse candidato iria fazer um mandato incompetente, quase catastrófico.

Assim como não teria apontado o dedo em relação a quem tivesse votado em Paulo Pereira Cristovão, se este tivesse ganho e se se revelasse um mau presidente. O meu apoio foi assumido assente num espírito de boa-fé visando apenas o melhor para o clube que amo.

O que no entanto hoje me passa pela alma é uma brutal frustração, mesclada com um sentimento de uma quase insuportável revolta por sentir que fui atraiçoado nesse apoio, eu e os 90% de votos que confiaram em Bettencourt.

Não sei se o homem foi torpeteado, sabotado, apunhalado pelas costas ou alvo de quaisquer outras manobras sub-reptícias. O que sei, quase dois anos após a sua eleição, é que se revelou um autêntico desastre nas decisões que tomou, nas afirmações que fez e nas pessoas das quais se rodeou.

O mais grave é que a sua flagrante falta de carisma, de capacidade de liderança e de congregação, aliadas a decisões mal ponderadas e incongruentes, representam a cada dia que passa um preço elevadíssimo que está ser a suportado pelo nosso clube. Bettencourt conseguiu em menos de dois anos tomar, sobretudo a nível desportivo, quase todas as decisões que nunca deveriam ter sido tomadas. Entre dois caminhos optou sempre pelo pior. Uma liderança de contínuo desafio à razão e à sensatez.

E tal como se defende para o país, também para o nosso clube devemos ponderar seriamente na possibilidade de que governações que se revelam desastrosas e lesivas do interesse de quem é governado, devam ser seriamente punidas, quiçá responsabilizando judicial e criminalmente quem 'desgoverna' a Instituição.

O clima e cultura de regabofe e de impunidade total, de ligeireza na tomada de decisões, a pouca ponderação na forma como os meios financeiros são desportivamente investidos, têm que ser implacavelmente banidos e erradicados, sob pena de que incompetentes, ineptos ou levianos venham a lesar ainda mais o nosso Sporting Clube de Portugal!

Admite-se, pegando num pequeno e simples exemplo, que a aquisição de Falcao tenha custado ao FC Porto cinco milhões de euros enquanto nós pagámos seis milhões e meio por Pongolle? Falcão tem dado um valiosíssimo contributo desportivo ao seu clube, existindo uma oferta de vinte milhões de euros pelo seu passe. Pongolle - embora com problemas na sua vida pessoal - passou por Alvalade sem glória ou qualquer retorno desportivo, militando agora a título de empréstimo no modesto Saragoça. Que diferença...









imagens: maisfutebol

Nuno M Almeida

Uma Boa Noticia num MAR de Tristezas!!


Paulo Sérgio acaba de deixar o cargo de Treinador Principal do nosso SPORTING, ficando Couceiro a tomar conta da equipa!

"De acordo com informações avançadas pela SIC Notícias, Paulo Sérgio deixou este sábado o comando técnico do Sporting. A mesma fonte anuncia ainda que José Couceiro, actual director geral, irá assumir o cargo de treinador na equipa de Alvalade pelo menos até final da época. José Lima, treinador da equipa de juniores, irá ser o adjunto do novo timoneiro dos leões."

"Paulo Sérgio chegou ao Sporting no inicio da presente temporada, depois de temporadas interessantes no Paços de Ferreira e no Vitória de Guimarães. Foi apresentado a 14 de Maio de 2010. A 26 de Fevereiro de 2011, o clube leonino anunciou o acordo de princípio para a saída do treinador principal.

O técnico deixa o Sporting no terceiro lugar da Liga 2010/11, a 23 pontos do líder F.C. Porto e a 15 do Benfica, segundo classificado. A formação de Alvalade perdeu o derby no passado fim-de-semana e foi eliminado da Liga Europa pelo Glasgow Rangers, na quinta-feira.


O Sporting ficou pelo caminho na Liga Europa e na Taça de Portugal. Com o título da Liga fora do horizonte, restava a Taça da Liga, onde a equipa se prepara para disputar as meias-finais. No campeonato, o próximo adversário é o Nacional, na Madeira.

Será um dos elementos da estrutura técnica a orientar os leões na Choupana. José Couceiro, que entrou recentemente para o clube, ocupando o cargo de director-geral para o futebol, assumirá o cargo de treinador a partir de segunda-feira.

José Eduardo Bettencourt apresentou a demissão, motivando a marcação de eleições para Março. Entretanto, o director-desportivo Costinha também saiu, após uma entrevista explosiva. Agora, é o treinador Paulo Sérgio a ser afastado do cargo. "

Fonte - "Mais Futebol"

SPORTING SOMOS NÓS

ZenMan - Vítor Araújo

sexta-feira, fevereiro 25, 2011

Tertúlia com Bruno de Carvalho

Na próxima quarta-feira, o Sangue Leonino organizará uma tertúlia com o candidato Bruno de Carvalho, na sede deste, localizada no Alvaláxia (1º piso), a partir das 18h00.

Face à curiosidade que esta candidatura tem despertado junto de sócios e adeptos do Sporting Clube de Portugal, o Sangue LEONINO tem o prazer de convidar todos os habituais participantes deste blogue a comparecerem neste evento, que consideramos ser uma grande oportunidade para mostrar o nosso sportinguismo.

Aqueles que pelas mais diversas razões não puderem participar mas quiserem deixar as suas questões, poderão envias as suas perguntas para os seguintes e-mails:

sangueleonino@hotmail.com

zezix1@hotmail.com


Saudações leoninas e até quarta-feira!



(não havendo qualquer apoio oficial por parte do blogue a quem quer que seja, não deixaremos de ser um espaço aberto a todas as candidaturas, visando apenas uma coisa: o esclarecimento cabal dos amigos que regularmente nos visitam, sobre os vários projectos que em breve entrarão em disputa eleitoral)

quinta-feira, fevereiro 24, 2011

Tanta incompetência, burrice e ingenuidade...



Sporting, 2 - Rangers, 2 (3-3 nas duas eliminatórias)

Estádio José de Alvalade

Árbitro: Paolo Tagliavento (Itália)

SPORTING: Patrício; Abel, Polga, Torsiglieri e Evaldo; Zapater e Pedro Mendes (Saleiro); João Pereira, e Matías Fernandez (Nuno André Coelho) e Djaló; Postiga (André Santos).

Suplentes não utilizados: Tiago, Maniche, Diogo Salomão e Cristiano.

RANGERS: McGregor; Foster, Bougherra, Weir e Papac; Whittaker, Davis, Bartley, Fleck e Edu; Diouf.

Suplentes: Alexander, Lafferty, Healy, Weiss, Wylde, Hutton e Cole.

Golos: 0-1 Diouf, 1-1 Pedro Mendes, 2-1 Yannick, 2-2 Edu




PAULO SÉRGIO, SE TENS UM PINGO DE DIGNIDADE, DEMITE-TE!!!!!!!


Nuno M Almeida

Candidato: Bruno de Carvalho


O segundo candidato a avançar para as eleições de 26 de Março é muito crítico da actual gestão e não se revê nas ideias de Braz da Silva. Quer um Sporting sem complexos.

A candidatura de Bruno de Carvalho, 39 anos, licenciado em gestão e presidente da Fundação Aragão Pinto, foi formalizada nesta segunda-feira no Hotel Sana, em Lisboa. E nasceu sob o mote “Por um Sporting sem complexos” mas a pensar num complexo... desportivo. A construção do pavilhão é uma aposta nas modalidades e integra as 93 medidas apresentadas.

Sem nomes para os órgãos sociais e ainda em estudo para os parceiros financeiros que entrarão no fundo fechado de 50 milhões de euros, Carvalho, de fato e gravata verde, falou à imprensa pela primeira vez.

“De nada servirá reestruturar o clube sem uma dinâmica vencedora no futebol que lhe garanta a consistência financeira para uma política de crescimento sustentado”, começou o seu discurso. O que quis dizer foi que o seu fundo fechado, diferente do fundo aberto apresentado por Braz da Silva, servirá “para muscular financeiramente a competitividade do clube na procura de vitórias” e não para diminuir o passivo. Ainda sem parceiros, mas “com conversações bem encaminhadas”, o candidato não quis avançar com nomes. Nem fazer do fundo o “mote para a campanha”.

Sem nomes para os órgãos sociais – “vai ser uma candidatura que irá apresentar-se paulatinamente” – nem querer falar da próxima equipa técnica para o futebol principal (Carvalho diz já ter escolhido mas não quer avançar publicamente com um nome para não criar desestabilização), apontou para a criação de uma estrutura de órgão sociais com “total dedicação”.

Para Bruno Carvalho, há que “redefinir tarefas e estratégias nos vários departamentos com o propósito de maximizar os resultados”. E referiu-se à saída de João Moutinho para o FC Porto. “Às vezes as minhocas andam à procura no pomar, temos de ver como as maçãs ficam”, disse.

A saída de Liedson também não passou em claro. “Não penso que fosse fundamental para o Sporting vender Liedson por 2 milhões para pagar salários”, destacou.

“Um Sporting sem complexos” tem a ver com a transmissão da ideia de que os sportinguistas têm de ter orgulho no clube, “não podem ter medo de assumir que temos uma projecção mundial”. “Passar a vida a falar de passivos, não é uma boa política”, disse.

In - "Publico"

Gostei Particularmente de saber que Augusto inacio será o Vice Presidente nesta Candidatura!



SPORTING SOMOS NÓS
ZenMan - Vítor Araújo

Facto


não quero com isto defender ou defender ninguém.

Estes dados são factos. Cada um interpretará como entender. Discutamos. Mas com base em dados reais. Porque em tudo na vida sempre me custou discutir fosse o que fosse com base em mitos e lendas ...

Mário Rui Oliveira

quarta-feira, fevereiro 23, 2011

Lutar com armas desiguais

Porque é que certas equipas têm um início de época titubeante e de repente desatam a ganhar jogos, sendo-lhes elogiada a 'frescura física' quando a época se aproxima do seu final?

Porque é que certas equipas nunca são alvo de controlo anti-doping?

Porque é que certas equipas não mostram nas competições europeias o 'fulgor físico' que deixam em campo nas competições nacionais?

Porque é que alguns jogadores dessas equipas se arrastam em campo e após o intervalo parece que têm o turbo ligado?

PORQUÊ? Decerto, simplesmente porque treinam mais e melhor que os seus adversários.

Pelos vistos, também de pequenino se torce o pepino... e desde pequenino se toma uma pastilha elástica com água. Curioso... no mínimo.



Nuno M Almeida

Aprender com a história

Permitam-me que destaque uma passagem do Almanaque do Sporting da familia Tovar, referindo-se à época de 1965/66, em fomos campeões :

"Face ao aviso da época transacta ( nota : 5º lugar com os mesmos pontos do 6º ), os leões trataram de reforçar os seus quadros, (...) e claro, recrutando para técnico um nome credenciado : Otto Glória ! O resultado de tudo isto ( nota : treinador mais jogadores de qualidade contratados ) foi um êxito imediato " 

Refira-se como curiosidade que em 1964/65 houve uma enorme convulsão interna por causa dos estatutos do clube que na altura datavam já de 1947.

E assim, como em tantas coisas na vida, a receita pode muito bem estar na história !

( em 68/69 voltaríamos a ser 5º, sendo novamente campeões em 69/70  e curiosamente a mesma receita em 72/73, 5º, 73/74 ... Campeões ! - no primeiro ano de João Rocha)


Mário Rui Oliveira

terça-feira, fevereiro 22, 2011

Cambada de bananas!

Será que o nosso clube caiu num vazio tão profundo que quase 24 horas após os incidentes de ontem, não há um único elemento da nossa Direcção que venha fazer uma declaração em que peça explicações à PSP pela forma como a maioria dos adeptos leoninos situados na superior sul, e que nada de mal fizeram, foram agredidos na sua própria casa?

Infelizmente tenho que escrever isto com muita mágoa: existe muita gentinha que exerce cargos directivos no nosso clube que em certos aspectos relativos à defesa do seu próprio clube tem muito a aprender com Luís Filipe Vieira, Pinto da Costa ou até com João Loureiro... Nenhum deles deixaria passar isto em claro na sua própria casa!

Crianças, pessoas deficientes, mulheres, todos agredidos sem qualquer pudor ou critério?

Estamos entregues a uma cambada de bananas que não nos respeita nem faz o nosso clube ser respeitado!

Seria uma das últimas pessoas a pôr em causa as forças da ordem - e em tomar partido pelas claques - mas ontem vi tamanho escândalo e tanta prepotência policial mesmo ao meu lado que não posso calar esta revolta e muito menos aceitar tanta passividade de quem supostamente ainda dirige o nosso clube!

Vinte e quatro horas passadas, e nada, absolutamente nada. Nenhuma tomada de posição!

Nuno M Almeida

Exageros policiais...



Reitero o que escrevi no post anterior: as nossas claques não são nenhum grupo de anjinhos ou de catequistas, nem é isso que sequer se lhes pede que sejam. E muitas vezes tem-lhes sido dado mais apoio, protagonismo ou poder do que aquele que a razão, a lógica e o bom-senso aconselham.

Mas ontem a intervenção policial, feita no seio da bancada ocupada pela Juventude Leonina, foi provocatória, inábil, desastrada, extemporânea e absurda. E poderia ter tido contornos mais contraproducentes porque em todos os outros sectores leoninos se gerou uma onda de indignação e de crítica à actuação policial.

Enquanto isso, no topo norte as claques benfiquistas faziam o que muito bem lhes apetecia, insultavam, deitavam petardos... e as forças policiais assobiavam para o ar.

Nunca fui advogado de defesa das nossas claques, e nunca o serei, mas aquilo que ontem se passou foi mesmo ao lado do meu sector, tendo ficado boquiaberto com o que se sucedia. Até eu, que sou uma pessoa pacífica, estava em polvorosa, revoltado com aquilo que testemunhava e com a injustiça de ver os marginais do Benfica perfeitamente 'intocáveis' no seu sector.

Já no último Sporting-FC Porto foi o que se viu: serem retiradas à Juventude Leonina as suas faixas enquanto os Super Dragões gozavam a seu bel-prazer, ostentando por seu lado faixas que ridicularizavam e ofendiam a nação leonina.

Pena que atendendo a tudo isto apenas uma voz de indignação - faça-se-lhe justiça! - se levantou (Paulo Pereira Cristovão), já que parece que os dirigentes leoninos são demasiado finos e educados para pôr em causa a actuação policial, sobretudo quando esta é ridícula e despropositada.

Paulo Pereira Cristóvão, ex-inspector da Polícia Judiciária e candidato derrotado nas últimas eleições, que se apresta para integrar o elenco dirigido por Godinho Lopes no sufrágio de 26 de Março, mostrou-se "indignado" a O JOGO pela carga policial. "Foi absolutamente vergonhoso", atirou, aludindo à "gritante dualidade de critérios no tratamento das claques, porque o que motivou a carga sobre a Juve Leo, o lançamento de petardos, foi repetidamente feito pelas claques adversárias, que ficaram impunes", acusou.




fotos: maisfutebol

Nuno M Almeida

segunda-feira, fevereiro 21, 2011

Porca miséria



Torsiglieri, Maniche, Cristiano, Saleiro, Djaló, Grimi... tanta vulgaridade. Batemos no fundo. Pior é impossível...

A única coisa boa da noite foi olhar para o nosos banco e não ver lá o senhor Paulo Sérgio.

Por último: as nossas claques não são nenhum grupo de catequistas mas porque raio teve a polícia de intervenção de fazer aquela entrada provocadora no seio da Juventude Leonina? Foi mesmo ao lado do meu sector e confesso que temi por um resultado bem pior do que aquele que constava no marcador. Digno da pior América Latina.

Nuno M Almeida

Vamos a eles!



Quiseram os estranhos arranjos de calendarização do futebol português que hoje segunda-feira se jogue um SPORTING-Benfica.

Sendo o confronto máximo do pontapé na bola cá do burgo (por muito que isso doa aos do norte), e onde classificações, história, estados de alma ou partidas anteriores pouco ou nada contam, faço sinceros votos para que os nossos leões ponham esta noite em campo tudo aquilo que sabem e que de melhor podem oferecer à massa associativa, porque uma vitória sobre o eterno rival não apaga as marcas de uma época pouco mais que miserável, mas sempre atenua as coisas...

E como por coincidência hoje é o aniversário aqui do consócio que escreve estas linhas peço que me dêem essa alegria adicional de poder festejar neste dia especial o triunfo futebolístico que mais gozo me dá!

Vamos a eles!

Nuno M Almeida

domingo, fevereiro 20, 2011

Marquem mais, chutem mais, menos ais, Queremos ainda mais.



My brothers of the sword!
I would rather fight beside you than any army of thousands!
Let no man forget how menacing we are !


WE ARE LIONS !!!



Mário Rui Oliveira

sábado, fevereiro 19, 2011

Foi mau, mas ...

Bruno Carvalho, Zeferino Boal, Dias Ferreira, Abrantes Mendes e eventualmente João Rocha Jr e mesmo Godinho Lopes.

Onde é que esta gente toda estava à 2 anos antes da difícil re-estruturação financeira ser feita, antes do acordo com a CM Lisboa ser finalizado, antes de ter o pavilhão definido ?

Agora que o trabalho de sapa está feito, isto está muito mais apetecível não é ?

Mário Rui Oliveira

quinta-feira, fevereiro 17, 2011

Eu quero é nomes ...

As eleições do Sporting estão a transformar-se numa espécie de discussão etimológica do verdadeiro significado das palavras "ruptura" e "continuidade". A existência da banca é uma realidade, os acordos assinados são uma obrigação inultrapassável, o pavilhão é uma realidade. Se é ruptura ou não não me diz nada. Há obrigações assumidas que são para cumprir. Está feito. Venha o futuro !

Porque agora todos são de ruptura. Uns de forma mais dura, querendo mudar processos, contratos e tudo o mais que lhes apareça pela frente que tenha sido asumido pelas anteriores direcções, outros de forma mais suave através de diversas mensagens que tentam descolar os nomes de alguma colagem ao chamado Projecto Roquette.

Poderia aqui discutir o que era o Projecto Roquette e perceber facilmente que esse projecto morreu à muito tempo. Seria igualmente fácil descobrir virtudes nos anos que decorreram desde a chegada de Pedro Santana Lopes À Presidência do Clube, pelas mãos do afamado PROJECTO.

Por falar em projecto, hoje vejo muita gente a falar em projectos ... e de projecto em projecto, pelos vistos não saímos de planta e o edificio nunca mais cresce.

Por isso, meus caros, o projecto que quero é acção ! Podemos passar o resto da vida do clube a discutir a validade do projecto passado, as virtudes dos projectos propostos. Mas o que quero mesmo é ver passar as coisas do papel e tomarem forma real.

Não quero ler projectos, cheios de frases bonitas, de clichés diversos, cheio de ideias, mas sem ideia de como o fazer !

Não quero que me digam que querem fazer do Sporting a melhor equipa de Portugal ! Quero ler é como vão fazer ! Com que meios, com quem !

E é aqui que chego aos nomes.

Não me interessa saber quem raio é o Presidente da AG, quem vai gerir o merchandising, ou o património ...

A mim interessam-me nomes e um valor ! Quem vai gerir a SAD, quem vai ser o responsável pelas contratações e quem é o treinador e qual a capacidade de investimento garantida.

Porque, venham jogadores de qualidade, venha um treinador que jogue um futebol atractivo e ganhador e tudo o resto se fará ! Os sócios voltarão ao estádio e a viver o clube com emoção,os adeptos far-se-ão sócios, as gameboxes serão vendidas e o Sporting renascerá em toda a sua pujança !

Por isso, caros candidatos, por mim és escusado virem com conversas da cor das cadeiras, de auditorias externas, de símbolos mais ou menos dúbios cuja competência pode nem passar do facto de serem Sportinguistas. Será escusado preocuparem-se com jargões bem escritos sem qualquer conteúdo para encher páginas do programa eleitoral.

Por isso venham os nomes ! Não há implementações sem nomes. O melhor projecto nas mãos de alguém sem capacidade de os implementar valem menos que duas boas ideias nas mãos de alguém que faça as coisas acontecerem.

E acima de tudo, a nós Sportinguistas, cabe-nos a partir do dia 27 de Março, apoiar quem ganhar, porque eu não somos adeptos de nenhum presidente ! Não somos sócios da cadeira presidencial, não compramos a Gamebox para ver a cara do Presidente ao vivo.

Aos adeptos inscrevam-se como sócios ! Deixem de viver o clube por fora.

Acima de tudo, apoiemos o Sporting ! Isto não é um partido ! É o nosso clube !

( e era isto ... desculpem o desabafo, e alguma inconsistência gramatical, mas foi a eito ...)


Mário Rui Oliveira

quarta-feira, fevereiro 16, 2011

Diz-me quem te apoia... dir-te-ei que tipo de candidato és!



Não ponho minimamente em causa o sportinguismo de José Dias Ferreira, e muito menos a sua legitimidade em se candidatar à presidência do Sporting Clube de Portugal.

No entanto, parece-me andar pouco inspirado em termos de apoiantes: Paulo Futre, Luís Figo...

Como hoje escrevia um amigo meu será que o próximo apoio à sua candidatura virá de Simão Sabrosa? Assim compunha-se o ramalhete de leões de 'verdade'.

Haja um pouco mais de decoro e menos 'peseteros'. Não será que homens como Manuel Fernandes, Carlos Xavier, Pedro Venâncio, Litos, mostraram sempre uma maior devoção e amor pelo nosso emblema? Não será que qualquer um destes nomes é bem mais merecedor de um lugar numa futura estrutura de futebol?

Um clube pode e deve ter memória, mas tanto em relação àqueles que o serviram com dignidade e brio, como àqueles que em determinada altura lhe viraram as costas ou tiveram atitudes menos dignas e consentâneas com o seu suposto sportinguismo...

Nuno M Almeida

terça-feira, fevereiro 15, 2011

Alvalade predominantemente verde

Tem sido uma semana atribulada a nível profissional, pelo não tenho tido tempo para mais dicas de carácter gastronómico, numa lógica de serviço público deste blogue, tipo canal generalista de televisão.

Bem, ainda não sei em quem vou votar porque ainda não conheço todos os candidatos e respectivos projectos, mas gostei de ler que um dos putativos candidatos quer colocar cadeiras verdes em Alvalade, em vez daquela confusão policromática.
Valha-nos isso.
É um pormenor de somenos em relação aos problemas que nos assolam, mas a nossa casa tem que ter predominância das nossas cores, e não aquela aberração 'taveirística', salpicada com uns inenarráveis tons de amarelo.

Quanto ao anúncio de José Dias Ferreira, para mim vale o que vale, ou seja, tendo a colocar a sua candidatura ao nível do possível avanço de Abrantes Mendes: os mesmos de sempre, mas que nada acrescentam.

Sobre as cadeiras verdes já em Janeiro de 2010 aqui havia escrito algo:




Na verdade, nos termos do art.º 7º dos Estatutos, "os símbolos tradicionais do Clube são as cores verde e branca..." e, com todo o respeito pelo autor do projecto, não são estas as cores predominantes nas bancadas do nosso estádio, como é o encarnado no Benfica ou o azul no FC Porto. Em minha opinião, as cores das nossas bancadas não permitem «namings» remunerados como permitiriam as cores estatutárias. E, ainda com todo o respeito, não me pode convencer o argumento de o Estádio, assim parecer cheio. À mulher de César não basta ser séria, é preciso parecer; mas o Estádio do Sporting não precisa de parecer cheio, tem é de estar cheio! Parecer não proporciona receita, e, de outra forma, mesmo vazio, pode proporcioná-la!...

Não podia estar mais de acordo com este excerto da coluna semanal de José Dias Ferreira no jornal do nosso clube.

Vendo pelo aspecto romântico, o verde que a todos nós, sportinguistas, faz vibrar, deve ser a cor predominante na nossa casa, e não aquela mistura policromática descaracterizada.

Analisando pelo lado racional e pragmático, se queremos mais e melhores receitas, só mesmo com bancadas que permitam uma visibilidade rentável para os respectivos anunciantes.

Deixo aqui o exemplo da casa dos nossos irmãos escoceses - Celtic - onde o verde dá um tom fabuloso a um estádio temível para os adversários, já que as bancadas estão sempre repletas de adeptos, e que, quando vazio, destaca o patrocinador Nike.

Compreendo que há direitos de autor a respeitar em relação ao projecto de arquitectura do Estádio José de Alvalade,mas era o que faltava que os mesmos não pudessem ser revistos e que nos tivéssemos que submeter à vontade do arquitecto em causa (Tomás Taveira), que por acaso até é benfiquista.

Se levarmos isto mais a sério até poderemos considerar que Alvalade, enquanto símbolo do clube, viola os estatutos, já que o verde e branco nem predominam nas bancadas do mesmo.

Nuno M Almeida

domingo, fevereiro 13, 2011

As armas e os barões assinalados....

Eu sou aquele oculto e grande Cabo

A quem chamais vós outros Tormentório,

Que nunca a Ptolomeu, Pompônio, Estrabo,

Plínio e quantos passaram fui notório.

Aqui toda a africana costa acabo

Neste meu nunca visto promontório,

Que pera o Pólo Antártico se estende,

A quem vossa ousadia tanto ofende.


Luis Vaz de Camões in Lusiadas


As ultimas épocas têm sido um tormento, um cabo de trabalhos incompletos, inacabados e mal projectados. É notorio e indesmentivel que estamos mal. Mas nada justifica que nos empurrem ainda mais para baixo. Leio em varios sitios que é os proprios socios que por vezes são o entrave a equipa.

Mal seria que jovens na plenitude das suas faculdades e recebendo bem mais que a maioria da população receberá numa vida tenham problemas com a pressão e com assobios...

O meu post não tem como objectivo bater mais no ceguinho e no obvio. Até final da época esta será a equipa que teremos. É impossivel mudar. Sei que será dificil e custa-me muito limitar o objectivo do clube do meu coração a um terceiro lugar mas é para isso que teremos que todos lutar. Uma taça da liga para conquistar "quer se possa quer não possa" e ir o mais longe possivel na taça UEFA.

O treinador é limitado. Acha que as criticas são injustas. Eu só peço mais trabalho e menos pontapé para a frente. Poderemos ter menos armas que os rivais mas teremos que jogar um pouco mais que os restantes adversarios.

É confrangedor assistir um jogo do SCP mas sou incapaz de virar as costas a um dos meus grandes amores.

Olhando criticamente é absolutamente irreal as ultimas duas épocas e deixa-me possesso que nunca haja casamento para a culpa morrendo esta sempre solteira. No entanto a historia e o tempo julgaram as pessoas pelos seus actos ou falta deles.

Um clube de 105 anos de vida não pode nem deve mas sobretudo não cairá. Pois um leão não verga. Podem nos atacar e o momento é sombrio mas haverá sol para nós, basta haver vontade mas sobretudo participação de todos os LEÕES que em conjunto poderão fazer a força que necessitamos para nos reerguer.

Sinto me desiludido e "meio" desligado mas o sangue continua a ferver cá dentro pela camisola verde e branca e sobretudo pelo LEÃO RAMPANTE!!!

NÃO ACABARAM CONNOSCO!!!!!!

Sobretudo esses bois negros liderados por um suposto socio do nosso clube. Infelizmente para nós salta a vista o jogo de xadrez a vermelho e azul.

Teremos que ser independentes mas antes disso temos que limpar a nossa casa e voltar a TRABALHAR nem que para isso seja preciso apostar num onze apenas da casa!!! Lá estarei presente seja qual for o caminho!!!

Desculpem o desabafo!!

SL

Miguel Damas

sábado, fevereiro 12, 2011

Postiga merecia mais. Carriço (em noite não) e Olarápio (do costume) não o permitiram



SC Olhanense, 2 - Sporting, 2

Estádio José Arcanjo (Olhão)

Árbitro: Olegário Benquerença

SC OLHANENSE: Ricardo Batista; João Gonçalves, Maurício, Mexer, Carlos Fernandes; Nuno Piloto e Fernando Alexandre; Jorge Gonçalves, Rui Duarte e Ismaily; Djalmir.

Suplentes: Bruno Veríssimo, André Micael, Lulinha, Cadú, Adilson, Suárez e Yontcha.

SPORTING: Rui Patrício; João Pereira, Carriço, Torsiglieri, Grimi; André Santos, Pedro Mendes, Maniche; Vukcevic (Matias), Postiga e Valdés (Cristiano).

Suplentes não utilizados: Tiago, Polga, Evaldo, Saleiro e Zapater.

Golos: 0-1 Postiga, 0-2 Postiga, 1-2 Nuno Piloto, 2-2 Carriço (p.b.)

A falta de capacidade da nossa equipa para segurar e gerir a vantagem de dois golos, o ar de desânimo e de pouca convicção dos nossos jogadores ao longo do jogo e a reacção de Paulo Sérgio após a sua expulsão dizem muito sobre o espírito que reina no balneário e no seio da equipa.

E a seguir teremos 'apenas' Glasgow Rangers e SL Benfica...

Nuno M Almeida

Se não os podes vencer, JUNTA-TE A ELES!


Entrevista com Paulo Pereira Cristóvão - In "PUBLICO"

Adversário de José Eduardo Bettencourt em 2009, o empresário Paulo Pereira Cristóvão é uma das grandes apostas de um dos principais candidatos às eleições de 26 de Março, onde irá ocupar uma das vice-presidências.

Paulo Pereira Cristóvão garante ter ganho experiência e maturidade nos últimos meses. Pretende renovar e regenerar o clube de Alvalade, ao lado de Godinho Lopes, candidato à presidência.

Tem sido um elemento muito disputado nesta fase pré-eleitoral do Sporting. Porquê?
Provavelmente porque as pessoas se foram apercebendo de alguns méritos das coisas que defendi nas últimas eleições e que continuo a defender. As premissas básicas continuam a ser as mesmas, mas agora com maior urgência. Infelizmente, o tempo foi dando razão a algumas coisas que chamei a atenção quando me candidatei.

Entretanto houve uma aproximação entre os seus pontos de vista e os de Rogério Alves e vão agora os dois integrar a lista de Godinho Lopes...
O que existiu entre mim e Rogério Aves e outros sportinguistas foi algo que não existia anteriormente: diálogo. Depois disso chegou-se à conclusão que os objectivos e as premissas eram basicamente os mesmos em relação a muitas coisas que o Sporting precisava.

Que funções irá desempenhar no Sporting se a lista que integra ganhar as eleições?
Sobre esta candidatura só posso dizer que foi formado um grupo bastante forte, com pessoas bastante determinadas, que se juntou para concretizar um bom projecto. Um grupo que não irá ser subserviente a qualquer sistema, clube ou outra forma de menorização do Sporting. Ninguém será remunerado na direcção, não só porque não terão necessidade de o ser, mas também porque o clube precisa de pessoas abnegadas que o possam servir com uma parte do seu tempo e da sua vida.

Mas será um dos vice-presidentes de uma futura direcção. Irá ter funções executivas, se Godinho Lopes vencer?
Não concebo que qualquer vice-presidente ou vogal de uma futura direcção do Sporting seja menos do que um vice-presidente ou vogal executivo. Posso garantir que quem integrar este projecto, seja em que circunstância for, só o fará para trabalhar. E pelo que conheço das pessoas não estarão lá para decorar. Não haverá gorduras. Tanto eu, como Rogério Alves [encabeça a lista para a mesa da assembleia-geral] ou Carlos Barbosa [será vice-presidente com o pelouro comercial] e outros elementos centrais desta candidatura concordamos plenamente com estas directrizes.

A lista de Godinho Lopes será bastante heterogénea, juntando muitas sensibilidades diferentes?
Sim, como qualquer equipa de sucesso. Utilizando como termo comparativo uma equipa de futebol, ela precisa de muitos elementos diferentes: o carregador de piano, o jogador que destrói, o que constrói, o que marca golos, o que finaliza sem sujar muito os calções, o génio e o louco. Precisa ao mesmo tempo de tudo isto. Este grupo mereceu a confiança do sector económico que lhe permite estar a desenvolver um projecto, no qual tem que estar obrigatoriamente a grande renovação geracional que vai existir no clube. A ideia é fazer renascer o Sporting a nível financeiro, mas também enquanto potência desportiva no futebol e nas restantes mobilidades.

Esta lista tem também elementos de recentes direcções e nesse aspecto pode considerar-se também de continuidade...
Não se pode colocar este grupo de pessoas sob o estigma da continuidade. Quando todas as listas estiverem constituídas, veremos quem é que irá representar a dita continuidade e a ruptura. Se calhar, irá haver surpresas.

Mas Filipe Nobre Guedes, que foi um elemento fundamental nas direcções de Soares Franco e de José Eduardo Bettencourt estará presente. É uma imposição da banca credora do Sporting?
Não queria personalizar, mas é verdade que há pessoas que tiveram muito envolvidas em projectos financeiros cruciais para o clube, que estão a decorrer neste momento, e que terão obrigatoriamente de continuar. Não queremos uma política de terra queimada com o passado.

O que disse a Braz da Silva [pré-candidato que abandonou anteontem a corrida eleitoral] quando ele o convidou para integrar o seu projecto?
Ele telefonou-me a dizer que contava comigo e eu, que não o conhecia, disse-lhe que provavelmente iríamos ser adversários nas eleições. Ficámos de falar posteriormente.

Mas será uma candidatura de ruptura com o passado?
Eu não diria de ruptura, mas que pode congregar o que está a ser feito de bom e aproveitar para regenerar o clube. O que queremos romper é com os momentos menos bons e de desnorte que ocorreram, mas nem tudo foi mau no passado: ganhámos alguns títulos e algumas taças.

Surpreendeu-o a desistência deste candidato?
Fiquei surpreendido. Ele entrou na corrida eleitoral com uma boa máquina comunicacional e andou um pouco a pregar sozinho no deserto, já que não tinha ninguém que contradissesse as suas ideias. Eu não acreditava naquela forma de estar. Quem quer candidatar-se de uma forma séria, deverá sempre, em primeiro lugar, falar com quem conhece a situação financeira do clube. Coisa que nem Braz da Silva, nem Bruno de Carvalho [outro candidato anunciado] ainda fizeram.

Ele diz ter desistido por causa do clima de “guerrilha interna” em que vive o clube?
Não sei do que ele fala e penso que seria bom que ele concretizasse, até para bem do Sporting. Senão fica também no ar, como outras coisas que ele deixou ao longo destes dias. Nunca disse quem era o seu “grande treinador” para o futebol ou os “grandes jogadores” que viriam. Eu em 2009 concorri às eleições com os apoios que tinha na altura, fui até ao fim, enfrentando o que tinha de enfrentar, e saí do processo eleitoral de cabeça erguida, tendo cumprido a minha missão. Para certos lugares é preciso ter estofo e é estar preparado para aquilo que irá encontrar no clube no dia seguinte às eleições.

Alguns elementos que o apoiaram e integraram a sua candidatura em 2009 consideram que traiu agora os seus princípios. Como responde?
Há dois anos aceitei ser o cabeça de lista do movimento Ser Sporting, porque após dois meses de almoços e jantares ninguém teve coragem de dar a cara. Fui o único. Não admito que ninguém coloque em causa o meu carácter e ainda ninguém me disse rigorosamente nada a esse respeito, nem colocou em causa a minha integridade e os meus princípios. O futuro irá provar que esses princípios estarão presentes no projecto que agora integro. É verdade que amadureci em relação ao Sporting nos últimos meses. Compreendi, por exemplo, que é um clube com idiossincrasias muito suas, que mais nenhum clube tem. Umas boas e outras más.

Continua a querer ser a antítese daquilo que se passou no clube nos últimos anos, como quis em 2009?
Continuo a querer que o Sporting seja bastante mais pró-activo e interventivo naquilo que são as estruturas do futebol em Portugal, e que tenha poder de influência e implementação sociológica.

Considera que os últimos meses foram tempo perdido para o Sporting?
Não direi tempo perdido, mas a política desportiva foi bastante errática, nomeadamente no futebol. Temos agora que aprender com os erros e quero que os sócios saibam que há um caminho e um grupo de gente bastante forte para servir e alterar a situação e voltar a dar-lhes alegrias.

A saúde financeira do clube mantém-se instável e poderá até ter piorado nos últimos meses, mas não faltam potenciais candidatos a estas eleições ao contrário das de 2009. Porquê?
Não sei, mas é verdade que começaram a aparecer agora candidatos com fundos de milhões. Mas eu considero que esta é a “silly season” pré-eleitoral. A fase em que alguns dizem que vão às urnas, mas querem apenas colocar a cabeça de fora e aparecer, com a secreta esperança que alguém os chame para ocuparem algum lugar. Depois, existem aqueles que estão sempre prontos para ir, mas que ninguém ainda os ouviu falar. E ainda há outros que dizem que estão a ser muito pressionado para avançar, mas, na maior parte das vezes, apenas por eles próprios. Esta ainda é uma fase de alguma indefinição. Mas gostaria que aparecessem efectivamente muitos candidatos porque estas eleições vão ocorrer numa encruzilhada histórica para o Sporting. Não há muito mais margem de erro e as pessoas têm de olhar para projectos e não para nomes. É uma grande responsabilidade histórica para os sócios.

O Sporting continua a ser um “grande” do futebol português em termos competitivos?
O Sporting tem tudo para continuar a ser um “grande”, mas uma coisa é certa: o que aconteceu não pode voltar a acontecer nunca mais. Quando temos dinheiro, sabendo que não temos com a abundância de outros rivais, temos de ser mais sagazes nas contratações. Temos de antecipar mais rapidamente onde estão os bons negócios, para além de voltar a investir naquilo que é a nossa montra no futebol, a Academia. O dinheiro não é tudo e o clube ainda consegue ter muita força e despertar todo o tipo de paixões, ainda que os números apontem que os adeptos estão a abandonar Alvalade e a deixar de pagar cotas. Terá de ser a nova equipa directiva e os jogadores a inverter esta situação.

Mas vão manter-se os constrangimentos financeiros, decorrentes das dívidas à banca...
Temos de chegar a acordo com os nossos parceiros bancários, não há volta a dar. Não posso entrar em pormenores, mas é uma componente que está, neste momento, a ser tratada por quem de direito. A componente financeira é bastante importante para este projecto. Neste momento, considero que não vale a pena falar de fundos de jogadores, essa componente financeira só será atractiva quando o futebol sportinguista for, ele próprio, atractivo. E é preciso não esquecer, que terá de ser o Sporting o principal beneficiário de qualquer fundo.

O Sporting tem condições para ser campeão nos próximos anos?
Tem, mas não é sério dizer aos adeptos que vamos ser campeões. O que é possível é dizer é que se vai reunir um conjunto de pessoas que querem reorganizar internamente, unir os adeptos e falar a uma só voz, porque só assim será possível voltar a conquistar títulos. As vitórias não se resolvem somente dentro das quatro linhas e o Sporting tem de voltar a ser um clube ouvido, respeitado e interventivo no futebol nacional. Se o nosso projecto vencer estas eleições, terá à sua frente um grupo de pessoas determinadas e motivadas para devolver o lugar que o clube merece ter. Se tudo isto poderá ser feito em um ano, não sei, mas será possível durante este mandato. Irá ser desenvolvido um trabalho duro, que muitas vezes não será visível para ninguém. De resto terá em Godinho Lopes um presidente forte, determinado, com ideias e com linhas claras para o clube, com a arte e engenho de ter constituído um conselho directivo com pessoas que partilham das suas ideias e que são solidárias com o líder."

In: "PUBLICO"

Esta entrevista faz-me lembrar este:



- Sinto-me revoltado com esta posição oficial de Paulo Pereira Cristóvão em se juntar a Lista encabeçada por Godinho Lopes, lista essa que jamais apoiaria e só posso concluir que:

Existe mesmo muita gente a desejar um bocado do nosso SPORTING, e este "virar de cara" de PPC diz tudo.

SPORTING SOMOS NÓS

ZenMan - Vítor Araújo

sexta-feira, fevereiro 11, 2011

Boa troca ...


Aí está o que podemos considerar uma boa troca. Costinha por Izmailov.

Coincidências, dirão ...





Mário Rui Oliveira

Y porque no te callas, pá?

Não gosto nada de bater ou dar pontapés em alguém que já está no chão, mas será que o facto de ter sido presidente do Sporting - e dada a situação difícil do clube e a pressão que se coloca a quem exerce esse cargo - causou danos na sanidade mental de José Eduardo Bettencourt?

É certo que fui um dos que passou um cheque em branco a este homem, mas caramba, tanto disparate é coisa digna de figurar no famoso Livro dos Recordes.

Tudo isto, claro, se for verdade o que o jornal Record escreve.




É pena que a comunicação social só se lembre do nosso clube quando podem chafurdar na instabilidade que afecta a vida do Sporting, mas por estes dias até parece que não há mais clubes em Portugal.
Para uma Instituição que muitos dizem estar moribunda e condenada convenhamos que é contraditório e incoerente, mas ao mesmo tempo sintomático da nossa grandeza...
Hoje voltamos a fazer o pleno.




Nuno M Almeida

Carlos Barbosa: "uma equipa sem medo"



Entrevista à Antena 1

Perante especulações surgidas sobre nomes de uma lista, eventual concorrente às eleições do Sporting, Carlos Barbosa, presidente do ACP, em declarações exclusivas à Antena 1, confirma, sem adiantar nomes, estar em formação um "green team,(...)uma equipa muito coesa, que prepara um projecto muito bom, uma equipa em que a banca acredita".

"Pessoas que não têm medo", que são respeitadas e respeitam a banca, "com um projecto vencedor, para que o Sporting saia deste marasmo(...) em que está",uma equipa a apresentar brevemente, que "vai ter um líder muito forte, para liderar um projecto com princípio, meio e fim."

Carlos Barbosa avançou, ainda, que "qualquer sportinguista" que tenha um "projecto credível" pode e deve candidatar-se.

Sobre Costinha, refere-se-lhe como "um homem de carácter, frontal, que diz as coisas sem medo, de uma forma desassombrada", ainda que, desta vez, talvez não no "momento mais indicado", mas com toda a legitimidade para as fazer. (Antena 1 / RTP)


Nuno M Almeida

quinta-feira, fevereiro 10, 2011

Favas contadas... ou talvez não



Na senda da veia gastronómica recentemente promovida por este blogue, após uma boa caldeirada e um saboroso polvo, aí está um típico prato de favas, bem ao gosto português.

E favas, porquê? Porque muitas vezes caímos no erro de acreditarmos que as coisas são 'favas contadas', podendo depois termos resultados inesperados que trazem um sabor demasiado amargo às nossas expectativas.

É um dado adquirido que uma das alternativas que - bem ou mal - se colocava como opção aos sócios leoninos abdicou hoje formalmente de entrar na disputa eleitoral, mas muito possivelmente os próximos dias trarão uma novidade de arromba.

Sempre ouvi dizer que não se devem atirar foguetes antes de tempo... e se calhar no que à vida do nosso clube respeita nunca essa frase teve tanto cabimento como agora.

É bastante provável que o terrível sentimento de orfandade que se apoderava já de muitos associados leoninos - pouco crentes perante cenários de pretensas listas de unanimidade e (estranhos) consensos - tenha os dias contados.

Aguardemos pois... porque o sportinguismo genuíno das bases, o tal que não aliena a paixão leonina dos sócios e adeptos, nem o ecletismo que sempre nos diferenciou dos outros, poderá estar de volta à contenda eleitoral.

Nuno M Almeida

(um destes dias tive um pesadelo: sonhava que o futebol leonino, a alma mater do nosso QUERIDO Sporting, estava em risco ou em vias de ser gerido por um benfiquista e por um portista de gema. Que raio de coisa nos passa pela cabeça enquanto dormimos...)

Hoje não há caldeirada... mas temos polvo!



NOTÍCIA hoje veiculada pela BOLA:

O empresário (Braz da Silva) coloca fortemente a possibilidade de deixar cair a intenção de ir a votos, não em favor de outro candidato, mas pelo simples facto de haver vários interesses que se apresentam como sérios obstáculos à implementação do projecto que Braz da Silva preconiza.

Fonte ligada à candidatura de Braz da Silva referiu mesmo um forte poder ligado ao actual status quo do clube que impede o compromisso de novas ideias que possam aparecer como solução para o mar de problemas que o clube de Alvalade tem vivido nos últimos anos.


Não sei porquê mas hoje acho que vou almoçar polvo. Um daqueles que engole tudo e todos, um daqueles que não admite oposição nas águas turvas onde se move...

Aliás, este 'Polvo à Zé de Alvalade' parece ser tão poderoso que até conseguiu silenciar uns quantos rebeldes que andaram por aí durante dois anos à solta a partir a loiça toda à sua volta.

A pergunta que faço é apenas esta: vale a pena haver eleições no nosso clube quando tudo parece estar condicionado e manietado logo à partida? Alvalade está cada vez mais parecido com um daqueles regimes bafientos da América Latina, entregue a um ditadorzeco e aos seus peões de prega.... secando tudo à sua volta.


ACTUALIZAÇÃO I: Braz da Silva já não se vai candidatar à presidência do Sporting. A desistência está assim confirmada e as explicações serão dadas hoje às 15 e 30 numa conferência de imprensa, que se vai realizar no Hotel Ritz em Lisboa.
Alvalade caminha a passos largos para uma pretensa Junta de Salvação Nacional à moda do Roquettismo.


ACTUALIZAÇÃO II: (JORNAL SOL) Braz da Silva, que vai anunciar oficialmente a sua decisão esta tarde num hotel de Lisboa, aponta o dedo a «uma máquina de tentativa de destruição de carácter».

Uma «campanha» que estará «preparada para ser amplificada até ao dia das eleições».

«Os telemóveis dos sportinguistas estão a ser inundados de mensagens contendo boatos anónimos e falsos, numa iniciativa programada que está a ser amplificada por alguns protagonistas do poder real e do poder formal do Sporting», acrescenta.

O sportinguista diz-se «estupefacto», uma vez que «muitos daqueles que colocaram o Sporting no estado calamitoso em que se encontra não souberam retirar as devidas consequências da sua gestão ruinosa».

São precisamente essas pessoas, acrescenta Braz da Silva, que estarão a fazer «um esforço desleal para evitar o aparecimento de soluções de transparência e de liquidez» para o emblema.

«O poder formal e o poder real do Sporting recusa-se a retirar conclusões do desastre constante e crescente que tem constituído a realidade do seu consulado», conclui.

Evitando «participar numa guerra fratricida de manobras de bastidores que desqualificam aqueles que as provocam», Braz da Silva deixa claro que a decisão de desistir da corrida à presidência do clube leonino «é tomada apenas para o acto eleitoral imediato», deixando em aberto qualquer possibilidade depois das próximas eleições.


Em conferência de imprensa num hotel de Lisboa, o ex-candidato à presidência do Sporting Clube de Portugal, Braz da Silva, justificou o seu afastamento da corrida eleitoral com a instabilidade que se vive no clube de Alvalade e comparou a escolha do novo presidente do clube a uma «batalha de vida ou de morte».

Quanto aos responsáveis pelas ameaças que afirmou ter sido alvo - ele e «sportinguistas de outras origens e nacionalidades que se preparavam para apoiar» - diz que não se estava «a referir a ninguém em particular».

O ex-candidato à presidência do Sporting deu ainda razão a José Eduardo Bettencourt relativamente a «não haver paz interna no Sporting», o que considera ser prejudicial para a equipa leonina.

Quanto ao fundo de 50 milhões de euros que o empresário tinha prometido criar no SCP para a compra de jogadores, garante que mesmo não avançando com a candidatura está aberto a seguir em frente com a promessa. E a disponibilidade poderá concretizar-se no âmbito de outra candidatura ou de outros projectos.

Braz da Silva confessou também ter tomado a decisão de desistir da intenção de se candidatar ontem à noite. «O meu mundo não é este. Agora vou voltar para o meu mundo, o empresarial», justificou.




Il Padrino não dorme nem anda cá a ver navios. Quando tem que eliminar as ervas que considera serem daninhas, fá-lo e sem contemplação. Digo eu...


Nuno M Almeida

(Sempre achei que um candidato não pode ter esqueletos no armário, caso contrário será sempre um alvo fácil dos seus adversários. Como se vê.)

quarta-feira, fevereiro 09, 2011

Demarcação... ou alinhamento?



A propósito das eleições no SCP.
Nas próximas semanas, com as listas tornadas públicas (espero eu), veremos quem de facto representará a Continuidade e quem optará pela Ruptura.
Depois então falaremos.

Paulo Pereira Cristovão
, no Facebook

Nuno M Almeida

Histórias da carochinha

Li na edição de hoje do jornal desportivo »A BOLA» que Godinho Lopes tem a sua lista quase fechada e que reflecte a apregoada abrangência.
Refere-se mesmo que a lista desse candidato «salvaguardou já uma importante e significativa injecção de capital caso seja eleita, em detrimento de qualquer fundo, sendo que essa verba servirá para investir na equipa de futebol tendo em vista a próxima temporada futebolística».
Mas alguém acredita nisto? A continuidade do Roquettismo, os herdeiros do homem do Esporão vão investir na equipa de futebol, eles que só têm empobrecido o nosso plantel e a sua estrutura? Como que através de um passe de mágica tudo vai mudar e os bancos vão-lhe dar o dinheirinho para dotar o plantel da qualidade que todos queremos? Os bancos vão agora fazer o contrário do que têm feito nos últimos anos? Histórias da carochinha para os sócios engolirem.
Li também que «não será de estranhar, pois, que Nobre Guedes fique com a pasta das finanças, ele que, tal como Godinho Lopes, garantem credibilidade junto dos bancos, não só portugueses como também estrangeiros».
Godinho Lopes garante credibilidade? A banca confia num homem que foi arguido no badalado caso dos barcos da Expo e que até hoje nunca foi devidamente esclarecido? Está bem, a gente acredita. Se calhar os bancos estrangeiros até são angolanos.
Li ainda que Bettencourt informou previamente todos os putativos candidatos da saída de Liedson, menos Braz da Silva, o primeiro candidato avançar. Fica claro com quem alinha o Roquettismo, quem é desejado pelo Roquettismo e quem o Roquettismo teme.

No dia 26 de Março eu vou votar JOSÉ BRAZ DA SILVA!!!!!!!!

Via VERDE

terça-feira, fevereiro 08, 2011

A grande caldeirada



Vai ser engraçado assistir à preparação em curso e saborear a grande caldeirada para a qual já se começam a juntar todos os ingredientes.

Junte-se a mesma linha gastronómica de sempre - onde o chefe supremo de cozinha tem uma vez mais a palavra final sobre quem vai representar o restaurante na competição de caldeiradas - adicione-se uma oposição que andou quase dois anos a zurzir no cozinheiro que há pouco saiu, ofereça-se uns cargos irrelevantes de cozinha a uns jovens ambiciosos (que pretendem um dia ser 'chefs' e que são leais ao eterno candidato a chefe supremo de cozinha) para que os seus egos fiquem saciados... e tem-se assim o grande tacho. O tacho verdadeiramente agregador.

Um tacho onde haverá espaço para todos: os que gostam desta caldeirada, os que não gostavam mas que - pasme-se! - de repente vão passar a gostar e todos aqueles que, unidos em associações de adeptos de gastronomia, também verão o seu quinhão no prato ser consideravelmente alargado.

Por último, para que na competição gastronómica se tenha a vitória assegurada convém adicionar uma pitada subtil de rumores de que a caldeirada do restaurante do lado está estragada - com potenciais efeitos muito nocivos para a saúde - e que os ingredientes importados por este, com origem em terras africanas, estão podres.

É curioso como certos silêncios da parte de alguns - inclusivé neste blogue - conseguem ser tão ensurdecedores, e ao mesmo tempo bastante esclarecedores.

Nuno M Almeida

(nota: nunca gostei de caldeirada. Sempre achei que era um prato demasiado indigesto)

Para Costinha o tempo no Sporting terminou!

Não alteraria uma vírgula que fosse a este texto de Luís Sobral, já que o subscrevo na totalidade, porque reflecte na perfeição o meu estado de espírito após assistir à desastrosa entrevista dada por Costinha à SPORT TV.



A entrevista de Costinha à «SportTV» demonstra, antes de tudo o mais, que não nasceu para o lugar de director desportivo do Sporting. Ou, arrisco, de qualquer outro clube de razoável dimensão.

Percebo que Costinha esteja triste. Tudo o que fez deu errado. O treinador, as contratações, as vendas, as conferências de imprensa, os resultados.

Mesmo o que não dependia de Costinha correu mal. O presidente que o contratou vai embora. Antes de dizer que ia, levou para Alvalade um director-geral, esvaziando o lugar de director desportivo.

Percebo isto tudo.

Também percebo que em Alvalade tenha começado o tempo em que cada um procura salvar a sua pele. Percebo, mas acho que há limites. Ou pelo menos devia haver.

Se não concordava com a chegada de Couceiro, Costinha deveria ter ido embora, de forma digna. Se não concordava com a transferência de Liedson, tinha apenas dois caminhos: aceitar e calar ou não aceitar e sair.

O que Costinha fez é inaceitável e lesa o clube que lhe paga: discordou, mesmo assim ficou. Na primeira oportunidade veio manifestar publicamente a sua opinião, procurando assim empurrar as culpas para outros.

Para Costinha, o tempo no Sporting terminou. Resta saber se depois de uma atitude como esta haverá alguém que lhe confie semelhante cargo.

(maisfutebol.iol.pt)

Nuno M Almeida

segunda-feira, fevereiro 07, 2011

Os dados começam a ser lançados...



José Braz da Silva foi o primeiro a avançar, apresentando o apoio de Agostinho Abade e Miguel Relvas.
Entre propostas de criação de fundos de jogadores de milhões - com o beneplácito angolano - e nomes de putativos treinadores (Scolari, Rui Faria), diria que é o candidato dos soubdbytes e de uma pretensa ruptura, com a inestimável mãozinha de Luís Paixão Martins, um experimentado no mundo da comunicação.

Godinho Lopes diz-se que será o candidato da opção pelo pretenso consenso e congregação de várias tendências. Fala-se que poderá ser apoiado por José Roquette e Dias da Cunha, contando ainda com trunfos como Luís Duque e Carlos Freitas.
Pedro Souto poderá ainda juntar-se a esta lista, tal como Rogério Alves, que pelos vistos não ficou convencido dos argumentos que Braz da Silva lhe apresentou. Sobre o posicionamento de Paulo Pereira Cristovão persiste a interrogação.

Hoje também deverá avançar Bruno de Carvalho, da Fundação Aragão Pinto, não se lhe conhecendo para já apoio de notáveis nem de grandes franjas da massa associativa.



Falta saber o que fará João Rocha Jr. Não é crível que avance e que corporize assim o tal pedido de candidatura lançado inicialmente no Facebook.
Dado que foi um dos fundadores da Juventude Leonina, pelo menos em teoria recolheria o apoio desta e de saudosistas da presidência marcante de seu pai.

Consta ainda que poderá aparecer uma candidatura-surpresa, algo que Rui Santos ontem também deixou transparecer no seu espaço semanal na SIC Notícias.
Não percebendo muito bem onde se encaixaria a dita em termos de apoio, dado o espaço preenchido pelas acima mencionadas, digo no entanto que acolheria com bons olhos o aparecimento de Carlos Barbosa, actual presidente do ACP, na luta eleitoral que se antevê animada.

Uma coisa é clara: para um clube que tantos dizem estar moribundo e sem esperança, existe uma inquestionável dinâmica na preparação de candidaturas, na conjectura de nomes, em manobras de bastidores, o que permite pensar que o Sporting Clube de Portugal ainda é um clube apetecível e com sócios - uns mais capazes que outros - capazes de dar o corpo às balas e de dizerem 'presente' pelo seu clube do coração.

No meu caso pessoal, como há quase dois anos passei um cheque em branco a José Eduardo Bettencourt, tendo sido completamente defraudado na expectativa que havia criado de que ele seria capaz de romper com o Franquismo e anteriores correntes de poder no clube (mea culpa!), espero para ouvir e ler tudo aquilo que as várias candidaturas terão para apresentar, para então de modo consciente e informado decidir a quem dar os meus votos correspondentes a 27 anos de associado.

Nuno M Almeida

sábado, fevereiro 05, 2011

A minha homenagem, a minha raiva...

Acabou-se o ciclo "Liedson" e com contornos dramáticos. Muitos jogadores têm entrado e saído do Sporting, sem provocarem aqueles momentos impressionantes de dezenas de Sportinguistas a chorar nas bancadas; a CHORAR!! Para lá das emoções que foram sentidas nas casas de cada um ao sofá.

Saiu Yazalde, Damas, Keita, Jordão, Manuel Fernandes, Cristiano Ronaldo, Figo, Simão, etc., etc. e nunca vi nada assim.
Mas Liedson MERECE! Foram muitos golos e uma grande parte desses golos de elevado grau de dificuldade.

Inacreditável como foi anunciada a transferência com argumentos cobardes a insinuar problemas com o Liedson, como forma de justificar o injustificável. Depois nas vésperas do jogo contra a Naval veio um comunicado a dizer que afinal estava tudo bem com o Liedson....

Foi vergonhosa a forma como os Dirigentes do Clube se esconderam não descendo ao relvado para fazer uma homenagem ao Liedson. Sabiam bem a vaia que os esperava.
Como é possível dispensar o Liedson a meio da época e por meia dúzia de tostões? Como é possivel fazer tantas asneiras? Como é possivel tomar sempre as piores opções?

Estes Dirigentes não merecem sair em 26 de Março. Temos de marcar uma Assembleia Geral e destitui-los antes. Nem que a votação seja feita dia 25 de Março antes da meia-noite!!!
Devia haver um movimento de recolhas de assinaturas para essa A. G.. Não estivessem os Sportinguistas tão indolentes e anestesiados ( tipo "corno manso", desculpem a ligeireza de termos) e era isso que se faria.

Se esta "gente" é do Sporting, se estes Dirigentes (?) que matam o Sporting a passos acelerados (já não é morte lenta), pois se são do Sporting, então EU SOU DO Benfica OU DO Porto!!!!
Tenho dito!

Gabriel Almeida

Quero o meu GRANDE Sporting de volta!

Com estes adeptos, com toda esta paixão, este clube NUNCA, NUNCA poderá morrer! Quem aguentou e resistiu a 18 anos sem títulos de campeão nacional está preparado para todas as adversidades!

Nenhum incompetente, nenhuma linhagem, nenhum interesse sinistro nos poderá derrubar! SOMOS GRANDES DEMAIS!







Nuno M Almeida

As alianças contra natura



Continuemos a prestar vassalagem ao FC Porto.

Continuemos a achar que é bom fazer negócios com eles.

Continuemos a receber jogadores como Nuno André Coelho e a vender-lhes jogadores como João Moutinho.

Continuemos a não salvaguardar que ex-jogadores nossos - fruto do nosso investimento na formação - ao regressarem a Portugal possam ir parar ao Dragão (ex: Quaresma).

Continuemos a ignorar que em pouco mais de duas décadas nos ultrapassaram de modo indelével (mais títulos de campeão nacional, mais títulos europeus, campeões crónicos em várias modalidades, lugares-chave nas estruturas do futebol português...), em muitos casos recorrendo a manobras sujas e sub-reptícias.

Continuemos a fazer alianças tácitas com quem tanto nos tem prejudicado, quase numa lógica humilhante de clube-satélite no sul.

Espero sinceramente que quem saia vencedor do próximo acto eleitoral leonino saiba ter discernimento e coragem para assumir que Benfica e Porto são nossos adversários ao mesmo nível de rivalidade, e que não é com alianças contra natura que iremos a algum lado.

No caso vertente, não é tanto pela qualidade de Djalma mas sim pelo exemplo que uma vez mais fica de que estamos a ser constantemente 'ultrapassados' - para não dizer ludibriados - bastanto atentar noutros exemplos recentes: Ruben Micael, Villas-Boas...

Enquanto sócio, adepto e accionista do Sporting não quero alianças com o FC Porto porque para mim estão exactamente ao mesmo nível que o Benfica: rivais a abater... desportivamente falando!

Continuamos em velocidade desenfreada rumo ao abismo enquanto o 'Papa' do alto do seu pedestal nortenho, com passagens frequentes pela tribuna de honra de Alvalade, vai sarcástica e ironicamente sorrindo...

Com os resultados que estão à vista de todos - só não vê quem não quer - é com gentalha desta estirpe que as várias direcções leoninas despudoradamente se vão aliando:



Nuno M Almeida

sexta-feira, fevereiro 04, 2011

Liedson: a única coisa boa desta noite

Numa noite triste, onde a nossa equipa e respectivo treinador merecem os piores impropérios porque andam a brincar com a camisola e com o emblema que representam, só um nome merece destaque:








Nuno M Almeida