"O Mundo sabe que pelo teu amor, eu sou doente / Farei o meu melhor para te ver sempre na frente / Irei onde o coração me levar / E sem receio... farei...o que puder pelo meu Sporting" - osangueleonino.blogspot.com -

Sangue LEONINO

segunda-feira, dezembro 27, 2010

Assim começou o declínio do Belenenses...

Esperando que a nação leonina tenha tido um bom Natal, não queria despedir-me de 2010 com um post aludindo a um tema menos positivo, mas tenho que fazer referência a algo que vem publicado no JOGO.

É deveras preocupante que há anos se assista a uma crescente desmobilização de adeptos e cada vez menos gente nas bancadas de Alvalade.

O artigo procura identificar algumas causas mas para mim as principais residem no constante clima de divisão e de guerrilha, na ausência de títulos e na cultura que se instalou de pouca ambição e de conformismo, aliados a plantéis de qualidade duvidosa e a exibições descoloridas, muitas delas ocorridas durante a presença de Paulo Bento no nosso banco... o tal treinador pelo qual muitos ainda hoje suspiram.



Aqui ficam excertos do artigo da autoria de Rafael Toucedo.

Dois anos depois de o ex-presidente do Sporting, Filipe Soares Franco, se ter queixado da crise de militância leonina e do decréscimo de adeptos em Alvalade, o assunto continua na ordem do dia e torna-se cada vez mais grave e urgente de resolver nas hostes dos verdes e brancos.

Com 2010 quase a acabar, o Sporting soma o quarto ano consecutivo a perder adeptos no novo Alvalade, situação com impacto menor nas contas de um clube de futebol, mas com peso importante no fulgor social que move paixões...

O ano com melhor média de assistências em Alvalade foi 2006, com 31 481 pessoas por jogo. Desde essa altura, já vão quatro anos seguidos com a média a descer, até chegar à mais fraca de sempre em 2010: 21 939 espectadores por jogo.

Os motivos para a desertificação de Alvalade são muitos, alguns com solução possível, outros nem tanto... O fraco espectáculo que a equipa vem oferecendo aos adeptos, aliado aos maus resultados desportivos dos últimos anos, são os dois principais motivos da fuga de espectadores.

As Gameboxes, ou seja, bilhetes de época, foram uma moda passageira em Alvalade. Criadas pelo dirigente leonino Pedro Afra na passagem para o novo estádio, o seu carácter inovador em Portugal suscitou muita curiosidade e a adesão inicial foi alta, mas com o tempo foi perdendo fulgor, também graças aos maus resultados desportivos e à crise financeira.

O jogo de inauguração do Estádio José Alvalade, com o Manchester United, continua a ser a maior enchente do recinto leonino, com 50 mil espectadores anunciados como assistência oficial. Muito longe desses números está a assistência mais fraca, registada em 2005 em jogo da Taça de Portugal com o Varzim (6112). E não foi a única vez que as bancadas de Alvalade estiveram despidas de público, às moscas, verificando-se ainda mais nove encontros com assistência abaixo dos dez mil espectadores - números incompatíveis com um grande.


Leonino