"O Mundo sabe que pelo teu amor, eu sou doente / Farei o meu melhor para te ver sempre na frente / Irei onde o coração me levar / E sem receio... farei...o que puder pelo meu Sporting" - osangueleonino.blogspot.com -

Sangue LEONINO

sábado, março 12, 2011

Acima de tudo e todos, o Sporting!

Como anteriormente escrevi, nestas eleições não vou assumir apoio a qualquer dos candidatos porque, para além disso não ser importante, na verdade nenhum dos nomes que se apresentam me suscitam um entusiasmo por aí além. E como tenho referido, para passar cheques em branco serviu-me de lição o de há dois anos...

Em relação àquilo que os vários contendores defendem para o clube, confesso que talvez por distracção minha ainda não vi nada por aí além. Entre um debate demasiado morno que há uma semana teve lugar, entre fundos, nomes de treinadores e directores desportivos, mais ou menos milhão, mais ou menos ecletismo, mais ou menos sondagens, nada de relevante ou verdadeiramente substancial tem sido discutido ou apresentado.

O que gostaria é que para além das infelizmente costumeiras querelas pessoais, azedumes, egos exageradamente inchados, a habitual troca de insultos e de mimos entre candidatos e entre apoiantes dos vários nomes (com o imprescindível colo da blogosfera), ainda se conseguisse ter o discernimento de colocar acima disso tudo o Sporting Clube de Portugal.

Esta semana tive o privilégio de assistir ao vivo no mítico Camp Nou ao jogo entre o FC Barcelona e o Arsenal, e pude testemunhar o fantástico apoio dado pelos adeptos à equipa da casa, e a exemplar paixão que nas bancadas demonstram pelas suas cores durante noventa minutos. Há muito não via isso, se calhar porque vou demasiadas vezes a Alvalade, em cujas bancadas nos últimos tempos reina demasiada apatia e conformismo.

O que sinceramente espero é que ganhe quem ganhar, que a partir do dia 27 de Março o eleito tenha a capacidade de nos devolver o entusiasmo e a paixão, e que sejam pelo menos iguais em intensidade àqueles que esta semana testemunhei na Catalunha. Tudo o resto é conversa... e da treta!

Nuno M Almeida