"O Mundo sabe que pelo teu amor, eu sou doente / Farei o meu melhor para te ver sempre na frente / Irei onde o coração me levar / E sem receio... farei...o que puder pelo meu Sporting" - osangueleonino.blogspot.com -

Sangue LEONINO

sábado, outubro 03, 2015

Amor ao Sporting? Isso já não existe

Depois de ler o comunicado que a SAD do Sporting emitiu sobre todo o processo relacionado com Carrillo, um sentimento que não deveria percorrer a mente do jogador seria certamente o de orgulho.

Como em tantos outros casos, o verdadeiro amor é ao dinheiro, por isso o zero ídolos é aqui aplicado com toda a naturalidade.

Carrillo tornou-se conhecido no Sporting.
Foi projectado pelo Sporting e foi este clube que lhe deu todas as condições para poder hoje estabelecer o contrato de uma vida.
Tal como noutros casos, talvez um pouco mais de respeito fosse bonito na hora da saída.

Se alguma coisa Carrillo poderá apontar, será apenas em direcção aos adeptos que muitas vezes perderam a paciência com o seu futebol molengão e pouco empenhado e que tantas épocas levou a evoluir até um patamar de elevada qualidade.

Já ao clube, Carrillo não deve apontar nada, deve sim respeito e boa fé nos actos que pratica, algo que claramente não fez. Tanto esta como a anterior Direcção apoiaram sempre Carrillo, não o deixando cair numa situação de dispensável.
Todos os treinadores que o orientaram, viram sempre nele uma mais-valia e apostaram nele, mesmo com os assobios muitas vezes a descer das bancadas.

O mínimo que seria de esperar de Carrillo seria o respeito perante aqueles que o respeitaram sempre.

Comunicado:
1 - A Sporting SAD reconhece ao atleta André Carrillo o direito de não querer renovar o contrato de trabalho desportivo em vigor até 30 de Junho de 2016. Como não podia deixar de ser, a Sporting SAD reconhece, aliás, ao atleta todos os direitos que a Lei lhe confere. De igual forma, a Sporting SAD está ciente de todos os seus direitos e obrigações, legalmente estatuídos. Os mesmos direitos que lhe conferem protecção contra trabalhadores que ajam de má-fé com a entidade patronal, lhe sejam desleais e a lesem patrimonialmente em montantes muito elevados de forma deliberada.

2 - A Sporting SAD tem, desde há cerca de um ano e meio, e de forma continuada, abordado o seu jogador André Carrillo e respectiva representação tendo em vista a revisão e prorrogação do seu contrato de trabalho.

3 - Foram apresentadas pela Sporting SAD várias propostas, sucessivamente revistas e melhoradas mediante as condições financeiras que o Clube ao longo deste tempo detinha, e ficando sempre adiada a negociação para data que a contraparte consideraria mais oportuna, nomeadamente, em função da agenda do representante do jogador e do próprio.

4 - Note-se bem que as sucessivas propostas apresentadas pela Sporting SAD sendo objecto de rejeição nunca mereciam uma qualquer contra-proposta, o que, com o decurso do tempo, se revelaria como uma postura negocial reiterada de má-fé, como adiante ficará evidente.

5 - Assim, ia-se gerando na Sporting SAD a expectativa legítima num negociante de boa-fé, de que apenas estava em causa o timing das vindas a Portugal da assessoria do atleta quando, na realidade hoje entendemos que contra a Sporting SAD estava a ser usado um expediente de consumir tempo do actual vínculo contratual.

6 - Em Agosto deste ano, finalmente, o jogador concretiza uma resposta propondo expressamente as condições que pretendia auferir, algo que foi aceite imediatamente pela Sporting SAD e reduzido a escrito, tendo em vista a sua assinatura.

7 - Ainda que tendo à sua disposição a redução a escrito daquelas que eram as suas condições, o jogador solicita a presença do seu agente por, alegadamente, não ter capacidade para ler contratos.

8 - Na sequência desta solicitação do jogador, o seu agente reúne com a Sporting SAD, estranhamente sem que André Carrillo o acompanhe, e são-lhe explicados os termos do acordo proposto pelo atleta e aceite pela Sporting SAD.

9 - Quando, legitimamente e de novo em boa-fé negocial, a Sporting SAD julgava que o passo seguinte e derradeiro seria a assinatura do acordo, relembre-se nos exactos termos que o jogador tinha proposto, o seu agente termina a reunião porque entendia que deveria falar com o mesmo.

10 – O agente do jogador regressa ao contacto com a Sporting SAD para comunicar que o jogador e o seu pai pretendiam que as minutas fossem analisadas por advogados.

11 - O que ocorreu com o natural consumo de mais tempo útil do contrato e sem que, uma vez mais, fossem obtidas respostas com a particularidade de agora elas estarem em falta em relação a uma proposta que tinha sido feita pelo próprio jogador.

12 - Nesta altura, o agente do jogador envia à Sporting SAD um email indicando que vai aparecer muito brevemente uma proposta de um Clube estrangeiro visando a transferência do jogador.

13 - À Sporting SAD era por esta altura mais do que legítimo inferir que o agente do jogador, e o próprio jogador, se preparavam para, uma vez mais, consumir tempo do contrato e refere que a sua pretensão é a de renovar e não de vender o jogador mas, ainda assim, refere-lhe que se recolher uma proposta por um determinado valor que comunicou ao agente, esta seria aceite.

14 - Nesta altura, o agente do jogador apresenta uma proposta que reúne a condição atrás expressa e que viabiliza a transferência do jogador para um clube inglês e a Sporting SAD aceita-a.

15 - O negócio foi abortado devido ao facto de que é o próprio jogador que, paradoxalmente, afirma recusar a oferta que o seu próprio agente lhe apresentara.

16 – Estes últimos factos ocorrem a poucas horas do fecho do mercado de transferências inglês.

17 – Após o fecho do mercado de transferências e a presença do jogador junto da respectiva selecção nacional, o mesmo regressa e informa a Sporting SAD de que não quer mais jogar pelo SCP e que pretende sair do Clube a custo zero. É este o seu assumido intuito.

18 - A Sporting SAD, registando a conduta desleal do seu jogador, comunica à sua Equipa Técnica que o mesmo recairá sob a alçada disciplinar e que vai remeter o assunto ao seu Departamento Jurídico.

19 – Nesta altura, a Equipa Técnica solicita à Sporting SAD uma última tentativa de entendimento na qual se envolve directamente tendo a Sporting SAD acedido e promovido uma nova reunião com o Treinador Principal e o jogador.

20 - Nessa reunião o jogador, na presença da Administração da Sporting SAD e do Treinador acaba por adiantar que apenas pretende auferir no SCP a retribuição que considera adequada, reiterando que, afinal, renovaria pelo Clube e condicionando apenas o acordo à presença do seu agente.

21 - Numa nova ronda negocial contando com a presença do seu agente, este afirma peremptoriamente que o jogador não teve coragem de afirmar pessoalmente à Sporting SAD e ao seu Treinador que não queria mais jogar no Clube, retomando aquilo que afirmara após o regresso da sua selecção. André Carrillo ouve placidamente as palavras do seu agente.

22 - Nesta reunião, face à recusa do jogador e sua representação em apresentar contra-propostas, a Sporting SAD apresentou, ainda assim, uma última oferta contratual, revista e melhorada substancialmente. Sendo a proposta considerada muito aliciante pela representação do jogador, a Sporting SAD enviou as minutas contratuais ao seu agente, o qual, entretanto, se ausentaria de Portugal para Inglaterra sem aviso e sob posterior alegação de motivos de saúde.

23 - Posteriormente até esta última proposta é rejeitada.

24 - Em mais uma tentativa de encontrar uma solução que, apesar de tudo, fosse satisfatória para todas as partes, a Sporting SAD apresenta uma outra solução ao jogador em que se vincularia, pela sua parte, a permitir obrigatoriamente a saída do atleta em Janeiro de 2016 por um determinado valor acordado com o jogador e prevendo, na contraparte, um outro valor pelo qual a Sporting SAD seria compensada se essa transferência fosse feita para qualquer clube português.

25 - O jogador informa a Direcção de Futebol de que está de acordo com esta proposta, pede o respectivo documento para leitura e, novamente, volta com a palavra atrás e recusa-se a assinar o mesmo documento que tinha negociado.

26 - Aparentemente esgotadas quase todas as hipóteses de uma solução consensual, barradas sistematicamente pela postura negocial de má-fé do jogador e/ou da sua representação, a Sporting SAD assegura uma última reunião que iria ocorrer ontem, dia 2 de Outubro, às 16h30m.

27 – Após confirmação pelo jogador ao próprio Treinador Principal no final do treino da manhã de ontem de que a reunião iria acontecer com a presença do seu representante, esta foi subitamente desconvocada pelo seu agente alegando que não haveria absolutamente hipótese nenhuma de solução para a situação.

28 - Neste contexto, detalhadamente exposto, a Sporting SAD considera-se ludibriada e entende que a atitude concertada do jogador e respectiva representação, arrastando o processo de renovação até uma fase em que não existem alternativas, contribuindo para inviabilizar a transferência para um terceiro clube, lesando de forma dolosa patrimonialmente o Sporting em montantes avultados e visando defraudar as legítimas expectativas da Sporting SAD, deveria ser revisitada minuciosamente para se apurar a eventual responsabilidade do jogador e sua representação.

29 – Decidindo-se, portanto, pela instauração de um processo disciplinar e consequente suspensão imediata do jogador.

30 – A Sporting SAD está agora convictamente convencida de que o projecto desportivo com o qual o jogador se encontra comprometido não é o nosso.

31 - O assunto foi entregue ao Departamento Jurídico para, em sede própria, apurar estas e outras eventuais responsabilidades do jogador e respectiva representação.

32 - Este Comunicado reflecte a única posição oficial que a Sporting SAD tomará, neste momento, sobre este assunto.


SL
José