"O Mundo sabe que pelo teu amor, eu sou doente / Farei o meu melhor para te ver sempre na frente / Irei onde o coração me levar / E sem receio... farei...o que puder pelo meu Sporting" - osangueleonino.blogspot.com -

Sangue LEONINO

segunda-feira, abril 09, 2018

Quo vadis, Sporting?

Novas eleições? Novas candidaturas? Manutenção e continuidade da actual direção? Para onde caminhamos nós?

Vamos então por partes. 

A nossa equipa perdeu apenas por 2-0 no terreno de um dos melhores clubes europeus. Esse não foi seguramente o maior problema. A maior crítica fez-se à postura dos jogadores, ao seu pouco empenhamento e à fraca concentração competitiva. Crítica essa que inteiramente subscrevo.

A partir daí o caldo entornou-se. Não apenas pela exibição mas porque o presidente, que não se deslocou a Madrid, em vez de esperar pelo regresso da equipa a Lisboa, e assim depois dizer aos jogadores olhos nos olhos aquilo que pensava da sua atitude em Madrid, optou por reprimendas, não só pelo Facebook mas também através de intervenções em directo na televisão.

Desde aí, e após subsequente comunicado por parte dos jogadores, conflito entre estes e o presidente, ameaça de suspensões e processos disciplinares, publicações extemporâneas e imponderadas nas redes sociais, acabamos por entrar numa crise directiva.

Afirmo e reitero que nos últimos cinco anos foi feito um bom trabalho, corrigiu-se a rota para o abismo que o (c)roquetismo havia encetado, a nível desportivo voltámos a ter equipas competitivas, regressámos à Champions, vendemos jogadores por muitos milhões, contratámos bons treinadores, regressámos a um ecletismo pujante, as modalidades voltaram a ter uma casa condigna, o número de adeptos cresceu, a assistência nos jogos disparou e aparentemente a saúde económico-financeira regressou.

Terá toda esta polémica entretanto gerada, assente numa clivagem entre Carvalho e jogadores - antes despoletada com o bate papo com Adrien, e agora exponenciada com este episódio de Madrid - como consequência o fim de um ciclo e a força para deitar tudo isto por terra?

Não sei. Sinceramente não sei. E também sinceramente não sei se deixar agora o edifício ruír será a melhor opção, mesmo sabendo que Carvalho tende a misturar demasiado a figura do presidente-adepto com a do presidente-institucional, pautando invariavelmente as suas intervenções com tiques autoritários, belicosos e provocadores. E quando a alternativa se chama Madeira Rodrigues estamos conversados.

O que sei é que a nós, adeptos e sócios, resta apoiar os nossos atletas nas várias competições, porque tanto no futebol como nas modalidades, ainda há muito em jogo. 

Quanto ao resto... ver-se-á.

Nuno M Almeida