"O Mundo sabe que pelo teu amor, eu sou doente / Farei o meu melhor para te ver sempre na frente / Irei onde o coração me levar / E sem receio... farei...o que puder pelo meu Sporting" - osangueleonino.blogspot.com -

Sangue LEONINO

quinta-feira, junho 16, 2016

Acusação grave

Domingos Cordeiro, antigo Vogal do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol,
 Secção Não Profissional, enviou uma carta aberta ao Presidente do Conselho de Justiça da FPF, Manuel Serra, 
a demarcar-se da absolvição no "Caso Slimani".
O conteúdo da carta foi revelado pela TSF e Domingos Cordeiro fala na existência de "pressões políticas"
na absolvição do ponta-de-lança do Sporting, no caso da suposta agressão a Samaris, médio do Benfica.
"Como é sabido, e resulta dos autos, dos sete membros que compõem o Conselho de Disciplina,
 um houve que votou vencido: EU! Voto vencido, aliás, que, em meu entender, viria a funcionar como causa próxima 
para a minha não inclusão na lista de 20/04/2016, encabeçada pelo Dr. Fernando Gomes e candidata aos órgãos sociais 
da FPF, 2016/2020", escreveu Domingos Cordeiro, precisamente no dia em que deixou de ser Vogal no Conselho de
 Disciplina.
Domingos Cordeiro diz que decidiu enviar a carta ainda na "qualidade de dirigente desportivo", de modo a que se 
"alguém ligado ao movimento federativo se sentir atingido pelas palavras" possa, "querendo", recorrer à Justiça Desportiva.
"À luz das leis e regulamentos que regem a Justiça Desportiva na FPF, é por demais evidente que a solução proposta pelo 
Relator do Acórdão de 8/4/2016, é tudo menos uma decisão baseada na Lei e nos Regulamentos. É, antes uma
 deliberação de política desportiva, determinada por 'atendismos', criticou.
O advogado defende que havia matéria para castigar Slimani e que o caso poderia ter sido resolvido rapidamente, 
recorrendo a um processo sumário.
Slimani, foi castigado injustamente com um jogo à pouco tempo e ainda existe gente que tem a lata de vir dizer 
que existiram pressões políticas na primeira absolvição que este caso teve. Este caso "pidesco" 
é que devia ter sido denunciado como algo de político, pois fizeram coacção psicológica com o jogador argelino 
do Sporting durante largo tempo apenas com o objectivo de o condicionarem desportivamente para que 
determinado clube tirasse benefício directo de uma baixa de rendimento do avançado leonino numa altura
 em que o Sporting estava em primeiro lugar no Campeonato. Vêm aí tempos muito complicados 
para o futebol e o desporto português, pois não me parece nada bom quererem implementar uma ditadura 
desportiva e social em pleno séc. XXI. Quo vadis, Portugal?
Lion King